Arquivo

Arquivo do Autor

Postura no computador

 

Categorias:Dicas, Variedades, Videos

Manutenção de PCs: desmistificando a BIOS

Excelente matéria do  Site:

Nunca fuçou em uma BIOS antes? Então está na hora de conferir o que há dentro de uma e de regular todas as suas opções. Não tenha medo e siga as nossas dicas!

Nós já trouxemos a vocês os artigos “O que é BIOS?” e "Conheça como é uma placa-mãe sem medo", nos quais abordamos diretamente o que é famosa e misteriosa BIOS, que assusta os usuários mais leigos e ainda é motivo de frustração para alguns que já lidaram com ela e com componentes de computadores diversas vezes na vida.

Como já mostramos como ela é por fora e como ela opera em relação ao funcionamento do sistema e de sua inicialização, hoje abordaremos algumas das opções mais comuns entre os diversos modelos que circulam pelo mercado, como, por exemplo, os ajustes de discos e componentes na inicialização, clock de processadores e memória (frequência defuncionamento) , chipsets integrados e até mesmo a ordem de boot (que é dúvida para muitos ainda).

Dizemos “os principais” porque existem diversos modelos no mercado e cada qual possui suas próprias características e menus, mas todas compartilham algumas opções e finalidades. Para este artigo foi utilizada como referência a BIOS da placa mãe ASUS P5W DH – Deluxe (sem atualizações), da American Megatrends.

Placa mãe utilizada

Recomendamos também que você, usuário, tenha muita atenção ao ler cada opção e tela, pois algumas delas podem impedir a inicialização do sistema ou até mesmo levar o seu processador à morte! Vamos lá!

Acessando a BIOS

A BIOS é acessível apenas nos instantes anteriores ao carregamento do sistema, o que significa que você precisa ficar ligado para pressionar o botão a tempo. A tecla de acesso varia de acordo com a versão e fabricante da BIOS, mas em geral são escolhidas:

•    DEL (Delete).
•    F2.
•    F12.

Para descobrir qual corresponde à sua, basta ficar de olho na mensagem mostrada logo na entrada, que contém também os comandos de depuração e de configuração de inicialização. Já dentro dela, os comandos para navegação são as setas direcionais, a tecla Enter para confirmação do campo, Esc para voltar, F1 para ajuda e F10 para salvar as modificações e sair. Novamente, consulte os comandos mostrados pela sua versão para ter certeza de que tudo está de acordo.

Dentro da Bios

Primeiro contato com a guia principal

É na primeira tela (dentro da guia Main, Principal) que ficam os ajustes básicos de hora e data, idioma de exibição e dos dispositivos de hardware, como os discos rígidos (tanto IDE quanto SATA), leitores de mídia e drives de disquete. Por aqui é conferido se o computador reconheceu o disco que você acabou de instalar. Confira a visão geral abaixo:

Tela principal da BIOS

Vale ressaltar que a hora e data podem ser ajustadas manualmente, bastando apenas entrar no campo com a tecla Enter e editá-las manualmente. Já os itens de hardware revelam outra tela com mais informações sobre eles quando acessados. Novamente, é possível desativá-los por completo (para que o sistema os ignore), configurar para detecção automática a cada inicialização ou ainda atribuir um status manualmente (como CD-ROM) para a entrada.

Este último método manual é útil para que o seu sistema não perca mais tempo durante a inicialização para localizar novamente os dispositivos que já estão instalados. Por outro lado, no modo automático você pode trocar de componentes ou ainda mudar a posição dos já existentes sem ter que se preocupar em refazer o arranjo dos itens.

Outra opção importante da guia principal é a IDE Configuration, ou configuração IDE. Aqui são definidos os tempos de espera do sistema para a detecção de dispositivos e o modo de operação dos discos rígidos. Quem utiliza sistemas anteriores ao Windows XP geralmente precisa mudar do Enhanced Mode para o Compatibility Mode, ou modo de compatibilidade em português.

Configurações de dispositivos IDE

Seguindo para a parte de baixo da tela, temos a opção System Information: pense nela como uma exibição dos dados do computador mais completa do que a vista pelo sistema (nas propriedades do Meu Computador), já que ela traz para você o tipo e modelo de processador (com a contagem de núcleos para os com dois ou mais) e também a memória total da máquina, seguida da quantia livre e da já ocupada por outros dispositivos, como placas de vídeo onboard por exemplo.

Guia Advanced

Ajustes Avançados de portas e dispositivos onboard

Seguindo adiante com a nossa descrição da BIOS, temos a guia Advanced. Note que a sua placa pode utilizar um termo diferente ou não ter algumas das opções demonstradas a seguir, já que elas dependem da presença de componentes onboard em sua grande maioria.

A primeira opção (retratada na imagem abaixo) serve para que os usuários mais avançados ajustem as configurações de alimentação e de velocidade do processador (para que a reduzam ou façam o famoso Overclock). Não recomendamos que você altere nada aqui, a menos que realmente saiba o que está fazendo.

Configurações de velocidade do processador

USB Configuration, por sua vez, leva o usuário aos ajustes das portas USB, envolvendo a quantidade delas que ficará ativa, o suporte para dispositivos mais antigos, o modo de funcionamento (para os padrões 2.0) e o máximo de velocidade permitida, entre os modos HiSpeed — que é geralmente padrão — e FullSpeed, que permite velocidades muito mais altas com dispositivos compatíveis.

Tela de configuração das portas USB

Retornando à tela principal da guia Advanced, temos ainda as configurações de processador — que revela dados de memória cache, virtualização e controles de temperatura, além de outras tecnologias individuais para cada processador e fabricante. Já PCI/Pnp se refere aos componentes Plug and Play e seu devido reconhecimento, sendo escolhido se será a BIOS ou o sistema operacional o encarregado pela detecção (procure deixar tudo como está, a menos que tenha problemas).

Mas a mais importante das opções aqui é a Onboard Devices Configuration. Nela você tem acesso a todos os componentes que estão integrados à placa mãe, tais como as placas de rede, de vídeo e de som, controladores 1394, SATA, PATA e portas seriais. Todos estes elementos podem ser ativados ou desativados de acordo com sua necessidade. Lembre-se que estas mudanças não são de forma alguma permanentes, bastando retornar a BIOS para as configurações padrão em caso de falhas.

Configurações de áudio

Os controladores de áudio geralmente possuem configurações de acordo com o sistema operacional (modos exclusivos para o Windows Vista) e com os painéis frontais, para áudio de alta definição. Caso seja instalada uma placa separada, é uma boa desligar a integrada para evitar conflitos e travas de sistema.

Guia Power

Energia para seus componentes!

Agora que você já ajustou direitinho todos os seus componentes onboard, é hora de verificarmos as configurações básicas de energia. Algumas das opções desta guia envolvem o método de hibernação (um que economiza mais e outro que faz a máquina voltar mais rápido) e por quais dispositivos o computador deve ser ligado (como teclado, modems externos, mouse e dispositivos PCI). Algumas placas podem até mesmo ser configuradas de modo a ligarem novamente em caso de queda de energia, assim que a distribuição for restabelecida.

Tela de gerenciamento de energia

Outra ferramenta frequentemente disponível pela guia de energia é a de monitoramento, que controla e mostra em tempo real dados como temperatura do processador, placa mãe e memória, tensão recebida nos componentes (útil para identificar problemas na rede elétrica) e velocidade de funcionamento das ventoinhas ligadas na placa e não no gabinete.

Guia Boot

Definindo a ordem da inicialização

Quem nunca passou por mensagens do tipo “Erro ao ler dispositivo”, “Erro de disco”, ou ainda por vezes em que o disco de instalação do Windows é colocado no drive e o computador não lê, passando batido para o sistema e impedindo você de consertar o sistema? O que ocorre é que os dispositivos não estão na ordem correta, mas a solução é simples e está aqui nesta guia.

Prioridade de dispositivos

Entrando nela, você define a prioridade entre seus discos rígidos, drives de CD/DVD e dispositivos removíveis. Para evitar dores de cabeça e erros, recomendamos que você deixe a leitura na seguinte ordem:

•    Drive leitor de CD/DVD.
•    Disco rígido com o sistema operacional primário.
•    Disco rígido com o sistema operacional secundário ou com dados (caso exista).
•    Outros dispositivos.

Assim a cada vez em que for ligado o seu computador procurará por discos de instalação, depois (caso não encontre) pulará direto para a inicialização do sistema operacional padrão. Outra coisa: em algumas BIOS, assim como na que está sendo utilizada, você define a ordem dos tipos de dispositivos e depois — em outra opção — a ordem do grupo, como qual disco rígido será lido primeiro dentre todos os presentes no computador, por exemplo.

Ajustess

Agora que você já sabe como configurar a inicialização, vamos para a opção Boot Settings Configuration. Nela você ativa ou desativa funções como a imagem que é mostrada quando o computador é ligado, bem como suporte para mouse e também os avisos para erros de leitura do teclado. Recomendamos que as configurações padrão sejam mantidas para que você perceba quando qualquer erro acontece.

Algumas BIOS ainda oferecem mais uma opção de segurança. Por ela o usuário pode atribuir uma senha de acesso para o computador, independente de sistema operacional, o que significa que a máquina só poderá ser iniciada com ela. Muita atenção: não há como recuperá-la em caso de perda. A melhor solução é retirar a bateria (da placa mãe) por alguns instantes, mas não recomendamos, pois todas as configurações serão perdidas junto.

Configuração de senha

Guia Exit

Finalizando e salvando as modificações

Que trabalheira não? Depois de fuçar em tudo, a última coisa que você quer é perder tudo, portanto muito cuidado ao sair da BIOS. Para salvar adequadamente as alterações, selecione a opção Exit & Save Changes, como mostrado abaixo:

Salvando as configurações

As demais opções desta tela servem para descartar e sair da tela, apenas descartar as alterações ou ainda carregar as configurações de fábrica (o que é muito útil caso algo dê errado).

Não tenha medo de explorar as telas e de se informar, afinal a BIOS também é parte de seu computador e você deve conhecê-la para tirar o máximo proveito dos recursos da máquina. Até a próxima!

Fonte: http://www.baixaki.com.br/info/2479-Manutencao-de-PCs-desmistificando-a-BIOS.htm
Sexta-Feira 24 de Julho de 2009

Categorias:Dicas, Segurança, Soluções

Desativar tela de abertura nos PortableApps

fevereiro 24, 2011 Deixe um comentário

Como desativar tela de abertura nos aplicativos portáteis.

Aplicativos Portáteis (ou PortableApps) são programas de computador que rodam diretamente do pendrive, em diversos computadores diferentes, sem perder as configurações, sem necessidade de instalação e sem afetar em nada a instalação do Windows.

Os mais conhecidos são fornecidos gratuitamente pelo site PortableApps. Estes tem uma tela de abertura, que algumas pessoas (eu incluso) podem achar um pouco inconveniente. Esta tela (também conhecida por Splash Screen) é o que diferencia, pelo menos aparentemente, os aplicativos portáteis, dos aplicativos instalados da maneira tradicional.
Quando possível, eu prefiro rodar aplicativos portáteis ao invés de instalá-los no meu computador. É ótimo para testar novos programas até ter certeza se vale a pena utilizá-los, para facilitar rotinas de backup, migrações entre computadores, entre vários outros motivos.
Se você também adora os aplicativos portáteis , mas não gosta daquela tela de abertura chata, seus problemas acabaram. Pois você pode desabilitar a SplashScreen dos PortableApps e viver feliz para sempre!
Para desativar a exibição da tela de abertura nos aplicativos portáteis, faça o seguinte: Depois do aplicativo instalado, navegue até a pasta \Portable\Other\Source e localize o arquivo que tem exatamente o mesmo nome do arquivo executável do aplicativo portátil, porém com a extensão .INI. Ex: Notepad++Portable.ini:

Disable PortableApps Splash Screen
Localize o arquivo equivalente no seu aplicativo portátil.

Abra o arquivo equivalente do seu aplicativo portátil no bloco de notas, localize a seguinte linha e altere conforme o exemplo abaixo:

DisableSplashScreen=true

Depois de salvar as alterações feitas no arquivo .INI, copie-o para a raiz do aplicativo portátil, junto ao executável principal e está pronto!

Disable PortableApps Splash Screen
Salve uma cópia do arquivo de configuração junto ao executável.

Agora, a tela de abertura não será mais exibida ao abrir o aplicativo, seja diretamente do pendrive, ou copiado para alguma pasta no HD do próprio computador…

Leia mais: Compulsivo

Governo alemão abandona o Linux

fevereiro 23, 2011 Deixe um comentário

 

 

Desktops serão migrados para o Windows XP

O Ministério para Assuntos Estrangeiros do governo alemão decidiu abandonar o Linux e planeja migrar seus desktops novamente para o Windows XP.
Em duas ocasiões, o ministério recebeu a certeza por parte da consultoria McKinsey de que o Linux e os softwares de código aberto formavam uma parte perfeitamente adequada de sua estratégia de TI.
Mas parece que isso já não é mais o caso.
McKinsey chegou a destacar algumas áreas que causaram certa preocupação durante seu primeiro estudo em 2009, mas concluiu na época que isto não traria problemas sérios.
Um problema apontado na época estava relacionado com a interoperabilidade dos documentos. A solução proposta foi a atualização para versões mais recentes do OpenOffice.
Já um segundo estudo realizado em 2010 descobriu que uma mudança para um ambiente baseado puramente no Windows custaria caro e daria muito trabalho.
Mas no final do mesmo ano, o comissário Dr. Michael Groß, do departamento de TI do ministério, disse que uma decisão havia sido tomada em agosto de 2010 para que todos os desktops fossem revertidos novamente para o Windows XP em resposta às críticas relacionadas ao grande número de problemas com a interoperabilidade.
E caso você esteja se perguntando o porque da opção pelo Windows XP ao invés do Windows 7, Groß disse que o Windows XP, que completa 10 anos agora em 2011, é “a fundação uniforme para uma futura implantação de um novo sistema usando o Windows 7 e o Office 2010”.


Windows XP: problemas com a interoperabilidade pesaram na
decisão do ministério de voltar para o sistema da Microsoft

baboo.com.br

Categorias:Notícias

AutoRun no Windows para dispositivos USB será desativado via atualização automática

fevereiro 10, 2011 Deixe um comentário

 

O AutoRun no Windows permite que um aplicativo seja executado ao inserir um CD, DVD ou um dispositivo de armazenamento USB, como um pendrive. Além da comodidade que isso traz para instaladores (especialmente considerando usuários finais, muitas vezes leigos) há um problema grave: segurança. Vários malwares ficam monitorando o uso de mídias removíveis, como pendrives e cartões de memória, e instalam um replicador nele. Ao ser plugado num outro computador com o AutoRun ativo, o comando seria executado e, dependendo das configurações, conseguiria infectar mais um PC.

Nas versões recentes do Windows essa política mudou bastante. Para começar, em vez de rodar o programa, aparece um aviso com várias opções, permitindo explorar a pasta – recurso bastante útil.

A MS havia divulgado informações sobre mudanças do AutoRun no Windows 7 e pouco depois portou o sistema para o Windows XP, Vista, Server 2003 e 2008. A atualização ficou disponível para download manual.

Agora anunciaram uma melhoria no projeto: a atualização será embutida no Windows Update, devendo chegar automaticamente para maioria dos usuários de Windows.

Essa mudança impede a execução automática de aplicativos apenas em unidades USB. Continua valendo para CDs/DVDs, o que não é um problema, visto que essas mídias são – quase sempre – somente leitura. De qualquer forma essa atualização é marcada como importante, porém não é considerada de segurança, visto que era um recurso – não uma brecha explorada.

Há mais informações sobre isso nessa página.

Fonte: hardware.com.br

Cientistas criam chip com 1000 núcleos

 

Cientistas da Universidade de Glasgow, na Escócia, criaram um processador com mais de mil núcleos.

O resultado representa um grande salto se comparado aos computadores atuais que têm em sua CPU, a unidade central de processamento que lê e executa instruções, até 16 núcleos.

Com o chip de mil núcleos, o Dr Wim Vanderbauwhede e colegas da Universidade de Massachusetts Lowell foram capaz de processar um dos algoritmos centrais do formato de vídeos MPEG (o mesmo do YoutTube) a uma velocidade de 5 Gigabytes por segundo – 20 vezes mais rápido do que os atuais desktops topo de linha.

O segredo está em um chip especial chamado Field Programmable Gate Array (FPGA). Assim como todos os microchips, ele contém milhões de transistores, porém, nos FPGAs, estes podem ser configurados em circuitos específicos pelo usuário ao invés de serem programados em fábrica. Essa característica permitiu que a equipe de pesquisadores dividisse os transistores do chip em pequenos grupos, atribuindo a cada um deles uma tarefa diferente.

Criando mais de mil mini circuitos, eles conseguiram formar mil núcleos trabalhando instruções independentes. Para tornar o processador ainda mais rápido, cada núcleo recebeu uma quantidade de memória dedicada.

O resultado ainda é o que se chama de “prova de conceito”, e serão necessários outros estudos antes que alguma aplicação comercial possa ser cogitada. Atualmente, os FPGAs não são usados em computadores comuns por serem difíceis de programar, no entanto, experimentos como esse ressaltam suas outras características: sua enorme capacidade de processamento e seu baixo consumo de energia (obtido graças à sua velocidade de operação).

Fonte:info abril

Windows 7: 77 dicas do Windows 7

novembro 17, 2010 Deixe um comentário

 

O Windows 7 talvez seja o produto mais esperado da Microsoft. Ele é baseado nos pontos positivos do Windows Vista e elimina muitos dos pontos negativos do SO. O Windows 7 também adiciona novas funcionalidades. Tudo em um pacote que consume menos recursos do que seu predecessor.

E, esteja você atualizando do Vista ou pulando essa fase e fazendo a mudança a partir do Windows XP, você precisará saber como tirar o máximo proveito dele em seu ambiente. Veja aqui 77 dicas e truques para ajudá-lo a cumprir a missão.

1. Escolha sua edição — A maioria dos usuários comerciais não precisa da Ultimate Edition que é mais cara. Restrinja-se à Professional, a menos que você precise especificamente de BitLocker.

2. Atualizando? Mude para 64 bits — Como a segunda maior versão do Windows a dar suporte total a 64 bits, a arquitetura de 64 bits chegou definitivamente ao desktop. Não compre hardware novo de 32 bits, a menos que esteja comprando um netbook.

3. Use o Modo Windows XP — Sim, ele é apenas um PC Virtual inserido com uma cópia completa do WinXP, mas é um PC Virtual inserido com uma cópia completa do Windows XP. Esse é o primeiro uso totalmente inteligente da virtualização de desktop já visto. E uma excelente maneira de mudar para o Windows 7 sem abrir mão da compatibilidade do Windows XP.

4. Use o Windows PowerShell v2 — Mais do que apenas um shell, essa é a ferramenta de administração que você sempre quis: Processamento paralelo distribuído para tarefas administrativas. Gerencie 100 computadores de maneira literalmente tão fácil quanto gerenciar apenas um com o recurso Comunicação Remota. O Windows PowerShell v2 é fornecido pela primeira vez no Windows 7 e, dentro de seis meses, estará disponível para versões mais antigas do Windows.

5. Use o AppLocker — Somos fãs das Diretivas de Restrição de Software desde o Windows XP, e o AppLocker finalmente possibilita fazer uma lista dos aplicativos aceitos. Use-o para melhorar ou até mesmo substituir seu software antivírus para garantir que apenas o software que você deseja seja executado.

6. Alterne entre o Explorer e o Prompt de Comando — A poderosa ferramenta clássica do Windows, o Abrir Prompt de Comando Aqui, agora é parte integrante do Windows 7 Explorer. Mantenha pressionada a tecla Shift e clique com o botão direito do mouse em uma pasta para adicionar essa opção ao menu de propriedades. Enquanto estiver em um prompt de comando, se desejar abrir uma janela do Explorer com o foco da janela no diretório atual, digite start.

7. Registre problemas — O PSR (Gravador de Passos para Reprodução de Problemas) é um excelente novo recurso que ajuda na solução de problemas de um sistema (consulte a Figura 1). Às vezes, a Assistência Remota talvez não seja possível. No entanto, quando uma pessoa digita psr em sua Pesquisa Instantânea, o gravador é iniciado. Agora é possível executar as ações necessárias para recriar o problema, e cada clique gravará a tela e a etapa. É possível até adicionar comentários. Depois da conclusão, o PSR compila tudo em um arquivo MHTML e compacta o arquivo para que seja possível enviá-lo por email para análise ao administrador da rede (ou para o solucionador de problemas da família, dependendo de como ele está sendo usado).

Figura 1 O Gravador de Passos para Reprodução de problemas acelera drasticamente a solução de problemas

8. Crie vídeos de treinamento — Use uma ferramenta, como a Camtasia, para gravar tutoriais curtos em vídeo, de dois a três minutos, para ajudar os usuários a localizar recursos realocados, operar a nova Barra de Tarefas e assim por diante. Entusiasme e prepare os usuários para usarem o Windows 7.

9. Comece a pensar no Windows Server 2008 R2— Alguns dos recursos mais atraentes do Windows 7, como o BranchCache, funcionam em conjunto com o novo SO de servidor. O caminho da atualização para o R2 é bastante direto, portanto, há pouca razão para não tirar proveito das sinergias, caso você possa pagar para atualizar as licenças.

10. Prepare aqueles computadores com XP — Não há nenhuma atualização in-loco do Windows XP para o Windows 7, portanto, comece a planejar a migração dos dados dos usuários agora, antes da implantação da atualização para o Windows 7.

11. Considere instalações limpas — Mesmo ao atualizar computadores com o Windows Vista, considere uma instalação limpa em vez de uma atualização in-loco. Sim, é mais trabalhoso, mas isso gera um computador livre de problemas ao longo do tempo.

12. Considere a garantia de atualização — Mesmo que você nunca tenha comprado essa garantia antes, considere comprá-la para suas novas licenças do Windows 7. Acesse o MDOP (Microsoft Desktop Optimization Pack) que inclui App-V, MED-V e outras tecnologias interessantes, o acréscimo vale a pena.

13. Localize novas ferramentas — No Painel de Controle há um único link de Solução de Problemas que leva você a todas as ferramentas de diagnóstico do sistema. No entanto, há ferramentas adicionais que não são instaladas por padrão. A seleção do link "Exibir tudo" no canto superior esquerdo ajuda você a ver quais pacotes de solução de problemas são locais e quais estão online. Se você localizar uma ferramenta que não tem, poderá obtê-la nesse local.

14. Entenda a VDI (Virtual Desktop Infrastructure) — O Windows 7 desempenha um papel importante na estratégia de VDI da Microsoft, onde computadores com o Windows 7 virtualizados são hospedados em um servidor de virtualização central por meio de uma licença especial ampla do "Enterprise Centralized Desktop". Leia e descubra se você pode tirar proveito dessa nova estratégia.

15. Prepare-se para o DirectAccess — O DirectAccess facilita o acesso remoto de usuários a seus recursos baseados no escritório, sem uma VPN. O DirectAccess também abre computadores remotos mais completamente para a Política de Grupo, mas exige o Windows 7 e o Windows 2008 R2.

16. Use o DISM (Gerenciamento e Manutenção de Imagens de Implantação) — Se você desejar listar ou gerenciar pacotes, recursos ou drivers do Windows, use o utilitário de linha de comando DISM. A palavra "imagem" do nome pode levar você a pensar que essa é apenas uma ferramenta de implantação. Uma opção de linha de comando online permite gerenciar os recursos no SO carregado atualmente. Para obter uma lista dos recursos do Windows carregados, digite dism /online /get-features /format:table. Para habilitar um recurso, digite dism /online /enable-feature /featurename:<nome>.

17. Adote pacotes de solução de problemas — Desenvolvidos para ajudar os usuários a solucionar problemas por conta própria. Você precisa atualizar seus procedimentos de suporte para reconhecerem esses pacotes. Por exemplo, não force os usuários a repetir as etapas que o pacote já os fez percorrer e considere desenvolver seus próprios pacotes (no Windows PowerShell) para dar suporte a sistemas na empresa.

18. Verifique a confiabilidade — O Monitor de Confiabilidade foi introduzido no Windows Vista como "O Monitor de Confiabilidade e Desempenho". No Windows 7 ele foi separado do Monitor de Desempenho e movido para um novo local sob a Central de Ações. Você abre a Central de Ações no Painel de Controle e procura o link "Exibir histórico de confiabilidade" nas opções de Manutenção. Você também pode digitar Monitor de Confiabilidade na Pesquisa Instantânea (consulte a Figura 2).

Figura 2 O Monitor de Confiabilidade foi separado do Monitor de Desempenho

19. Aceite diversidade — Nem todas as organizações estarão prontas para mudar completamente para o Windows 7 imediatamente. Tudo bem, mas isso não significa que toda a organização deve permanecer no Windows XP. Os mitos de economia de custo de ter apenas um SO foram largamente refutados e atenuados, portanto, use o Windows 7 quando fizer sentido usá-lo.

20. Use a ferramenta de recorte — Essa ferramenta também existe há várias encarnações, mas está ainda mais fácil de usar no Windows 7. Inicie a ferramenta e arraste e solte qualquer parte da tela. A ferramenta recortará a seleção. A captura pode ser salva como um arquivo gráfico ou anotada com ferramentas de desenho básicas. Ensine seus usuários finais a usar essa ferramenta para que possam obter instantâneos de seus problemas e enviá-los ao Suporte Técnico. Ou crie sua própria biblioteca de anotações visuais.

21. Apresentações perfeitas — Pressione Windows+P para acessar o novo modo de apresentação e ativar facilmente a tela de seu projetor e do laptop ao mesmo tempo. Não há mais complicação com utilitários específicos de fornecedor e pressionamentos de teclas misteriosos. (Windows+X acessa o Mobility Center, com opções adicionais de apresentação.)

22. Elimine a confusão — Pressione Windows+Home para minimizar todas, menos a janela atual, para remover a confusão do plano de fundo e conseguir focalizar naquele relatório que seu chefe está cobrando de você.

23. Seja um administrador de cliques do mouse — O Windows 7 facilita a obtenção de direitos de administrador com um atalho do teclado. Clique em Ctrl+Shift em um ícone bloqueado da barra de ferramentas e pronto. Você o iniciou com os direitos de administrador adequados.

24. Instalações mais rápidas — Se seu computador for capaz de inicializar de USB, tente isso: Execute XCopy no DVD de instalação do Windows 7 em uma unidade USB grande o suficiente, inicie a partir dessa unidade e instale o Windows a partir dela. É mais rápido do que um disco físico.

25. Grave discos com um clique — Ou dois. Clique duas vezes em um arquivo ISO para gravá-lo em seu gravador de CD ou DVD.

26. Visualizações de pontos de restauração — Muitos de nós costumávamos desativar a Restauração do Sistema porque ficávamos apavorados de usá-lo. No Windows 7, podemos ficar mais calmos. Depois de você selecionar um Ponto de Restauração, o Windows agora oferece mostrar quais arquivos e pastas serão afetados pela restauração naquele ponto.

27. Sincronize fusos horários — Se você trabalhar com escritórios em diferentes fusos horários e se encontrar frequentemente perdendo a hora das reuniões porque não está sincronizado com o fuso horário deles, tente o recurso "Relógios Adicionais" que foi introduzido pela primeira vez no Vista. Em suas configurações de Data e Hora há uma guia chamada Relógios Adicionais, onde você pode adicionar dois ou mais relógios ao tempo em sua barra de tarefas e defini-los para fornecer fusos horários diferentes de seu fuso horário atual.

28. Configure o UAC (Controle de Conta de Usuário) — Mesmo que você odeie o UAC, tente usá-lo. No Painel de Controle, configure o comportamento do UAC para algo ligeiramente menos desagradável do que o Windows Vista oferecia e veja se você não consegue viver com a proteção extra oferecida por ele (consulte a Figura 3).

Figura 3 O Controle de Conta de Usuário, a maldição dos administradores, foi renovado e aperfeiçoado

29. RoboCopyCopyCopy — O sempre útil Robocopy.exe agora pode ser executado como multi-threaded; execute Robocopy /? para analisar seus novos parâmetros (como /MT para multithreading) e faça cópias mais rapidamente.

30. Console da Área de Trabalho Remota — O RSAT (Ferramentas de Administração de Servidor Remoto) do Windows 7 não inclui um utilitário de área de trabalho remota baseado em console. Mesmo que incluísse, o console padrão da área de trabalho remota tem algumas limitações desagradáveis: O console não pode mover conexões de lugar na lista, não pode classificar pastas e assim por diante. Se você gerenciar muitos servidores em sua estação de trabalho do Windows 7, tente baixar uma cópia do mRemote no mremote.org. Esse utilitário solicitado por doação permite misturar uma variedade de aplicativos de controle remoto, inclusive o ICA (Independent Computing Architecture) da Citrix, o protocolo RDP da Microsoft, o VNC (Virtual Network Computing), o protocolo SSH e o rlogin. Todos os nomes de host são exibidos em um controle de árvore padrão que pode ser dividido em pastas, classificadas alfabeticamente, e permitem que você atribua diferentes contas de logon e senhas de proteção a cada conexão.

31. Vários monitores — O trabalho com vários monitores se torna intuitivo e flexível no Windows 7. Há vários atalhos e movimentos do mouse que movem janelas de monitor para monitor. Para tirar o máximo proveito desse recurso, você precisa de muito espaço de tela. Tente um dos novos monitores QWXGA da Samsung (tinyurl.com/qwxgasamsung) ou da Dell (tinyurl.com/qwxgadell). Esses monitores de 23 polegadas têm uma resolução de 2048 x 1152 o que possibilita colocar duas páginas de tamanho original no mesmo monitor. Emparelhe-as e você obterá espaço para ter todas as ferramentas de administração abertas junto com o Office, o Vision, os sites de sua intranet e uma pequena mensagem para sua mãe no Live Mail. Mova a barra de tarefas para o lado esquerdo ou direito em vez de na parte inferior da janela para liberar ainda mais espaço.

32. Script do Windows PowerShell — Para tirar o máximo proveito do Windows PowerShell no Windows 7, você precisará de uma maneira rápida para compilar e depurar scripts. O Windows 7 é fornecido com um editor interativo que permite testar cmdlets e funções dinamicamente.

33. Arraste e solte ícones de notificação— A área de notificação reprojetada exibe apenas um número mínimo de ícones. Todas os outros ícones de notificação são movidos para uma janela secundária. Em vez de usar a opção Personalizar para selecionar ícones para a exibição principal, você pode arrastar e soltar ícones da janela secundária para a área de notificação.

34. Adicione pastas compartilhadas não indexadas à biblioteca — Você pode adicionar caminhos UNC, como \\servername\sharename, a uma biblioteca, mas o servidor deve indexar a pasta. Para adicionar um caminho UNC a um servidor não indexado, você pode criar um link simbólico para o caminho UNC e adicionar o link ou links à biblioteca. Use o comando mklink. Por exemplo, mklink HomeFolder \\ServerName\Homefolder.

35. Simplifique as instalações de computadores clonados — Você não pode executar o utilitário newsid de Sysinternals para alterar a identidade de um computador com Windows 7 clonado (seja um computador virtual ou um PC baseado em imagem). Em vez disso, crie uma instalação modelo e execute sysprep /oobe /generalize /reboot /shutdown /unattend:scriptfile. Clone ou copie esse arquivo de máquina virtual. Quando for iniciado, ele obterá um novo SID e você poderá preencher o nome. A referência para criação de arquivos script autônomos pode ser encontrada em tinyurl.com/winunattend.

36. Ajuste o Aero — A tecla Windows é muito boa para todos os seus atalhos. Agora é possível usá-la para trabalhar com o novo recurso AeroSnap no Windows 7. Selecione uma janela, pressione a tecla Windows e a seta para a direita ou a seta para a esquerda para ajustar a janela àquela metade da tela ou use a seta para cima para ajustá-la para a parte superior da tela.

37. Crie atalhos para a barra de tarefas — A tecla Windows é muito boa para atalhos. É possível selecionar a tecla Windows e um número para corresponder a itens da sua barra de tarefas. Portanto, se o IE (por exemplo) for o terceiro ícone da barra de tarefas (sem contar o botão Iniciar), você poderá pressionar a tecla Windows e o número três para iniciar ou abrir o IE.

38. Gerencie senhas — O Painel de Controle inclui um novo aplicativo chamado Gerenciador de Credenciais. Essa pode parecer ser uma ferramenta completamente nova que permite salvar suas credenciais (nomes e senhas de usuários) para sites nos quais você faz logon e outros recursos aos quais você se conecta (como outros sistemas). Essas credenciais são salvas no Cofre do Windows do qual é possível fazer backup e restauração. No entanto, você talvez veja isso como algo semelhante a uma ferramenta que temos no XP e no Vista. Na Pesquisa Instantânea, digite control /userpasswords2 e o Painel de Controle Contas de Usuário Avançadas será aberto, onde é possível gerenciar senhas para sua conta (consulte a Figura 4).

Figura 4 O Gerenciador de Credenciais fornece um local útil e seguro para armazenar senhas

39. Ações do disparador — O Visualizador de Eventos está estreitamente vinculado ao Agendador de Tarefas. Você tem a capacidade de obter um evento (selecioná-lo no Visualizador de Eventos) e, em seguida, no painel Ações, selecionar a opção "Anexar à Tarefa" para fazer com que esse evento, quando ocorrer, dispare uma ação. Essa ação pode ser: iniciar um programa, enviar um email ou exibir uma mensagem. Esse recurso pode ser muito útil para solucionar um problema.

40. Navegue por meio do InPrivate — Um novo recurso do IE8 é a capacidade de abrir o navegador em uma sessão de Navegação InPrivate que permite executar atividades bancárias e semelhantes em um local público sem medo de deixar algum resíduo para trás. O IE não reterá nada que você faça em uma sessão de Navegação In­Private. Essa ação poderá ser executada se você já estiver no IE, com a seleção do botão Segurança e, em seguida, da Navegação InPrivate. Isso abrirá outra janela do IE. No entanto, é possível ignorar algumas etapas com o uso do atalho. Clique com o botão direito do mouse no ícone do IE, clique em InPrivate, e as janelas já serão abertas em uma sessão InPrivate.

41. Ativação — Muitos aplicativos instalados em versões anteriores do Windows foram removidos. A partir do Windows 7, esses aplicativos (e alguns outros que não são normalmente instalados com o Windows) foram movidos para os aplicativos que podem ser baixados no Live Essentials no site download.live.com. Esses aplicativos incluem o Messenger, o Mail, o Writer, a Galeria de Fotos, o Movie Maker, o Family Safety e outros.

42. Remova aplicativos — Embora alguns aplicativos tenham sido movidos do Windows para se tornarem um download opcional, outros aplicativos, como o IE8, o Media Player, o Media Center e o Criador de DVD ainda estão incluídos. No passado, principalmente no que diz respeito ao IE, os aplicativos eram vinculados ao SO. No entanto, no Windows 7, é fácil removê-los se você desejar. Vá para o miniaplicativo Programas e Recursos no Painel de Controle e selecione o link “Ativar ou desativar recursos do Windows” no canto superior esquerdo. Em seguida, você pode marcar a caixa de seleção dos recursos que deseja remover ou adicionar do sistema (consulte a Figura 5).

Figura 5 O Windows 7 desvincula muitos aplicativos do SO, o que facilita a remoção ou a adição desses aplicativos

43. Você tem experiência com o Windows 7? — As propriedades do sistema têm uma classificação chamada WEI (Índice de Experiência do Windows). Essa classificação é uma coleção de cinco diferentes classificações que são determinadas pela WinSAT (Ferramenta de Avaliação de Sistema do Windows). A classificação mais alta é igual a 7,9 (e era 5,9 no Vista), com o uso das categorias de Processador, RAM, Gráficos, Gráficos de Jogos e Disco Rígido Primário. A classificação final não é uma média de todas as classificações, mas sim a mais baixa das pontuações dos subcomponentes.

44. Analise processos — Um dos recursos mais interessantes do Monitor de Recursos (resmon) é a capacidade de ver a WCT (Wait Chain Traversal). Um processo sem resposta será mostrado em vermelho no Monitor de Recursos, clique com o botão direito do mouse no processo e escolha Analisar Processo. Isso mostrará os threads do processo e quem está retendo os recursos que estão obstruindo o próprio processo. Você pode então eliminar essa parte do processo, se desejar.

45. Crie mundos virtuais — A capacidade de virtualização foi adicionada às ferramentas de Gerenciamento de Disco. Se você abrir o Gerenciamento de Computador, vá para a ferramenta Gerenciador de Discos e clique no botão Ação na parte superior, você verá as opções Criar VHD e/ou Anexar VHD. Isso permite criar e montar um disco rígido virtual diretamente da GUI. Observação: com o Windows 7, é possível até iniciar um VHD do Windows 7 (consulte a Figura 6).

Figura 6 O Windows 7 adiciona muito suporte de virtualização, inclusive a capacidade de criar e anexar discos rígidos virtuais na GUI

46. Criptografe cartões USB — Use o BitLocker To Go. Talvez você nunca tenha perdido ou colocado uma chave USB no lugar errado, mas para o restante de nós, meros mortais, isso acontece. Na maioria das vezes isso não é um grande problema, mas e se a chave contiver dados confidenciais? O BitLocker To Go permite criptografar dados em dispositivos de armazenamento removíveis com uma senha ou um certificado digital armazenado em um cartão inteligente.

47. Bloqueie com a Política de Grupo — Assuma o controle com o controle de aplicativo AppLocker. O AppLocker intercepta chamadas de kernel que tentam criar novos processos ou carregar bibliotecas e garante que o código tenha permissão para ser executado. Na prática, isso significa que você pode eliminar software desconhecido ou não desejado com a implantação do AppLocker por meio da Política de Grupo.

48. Seja nosso convidado — O Modo Convidado comprovou ser um método conveniente para dar a um convidado ou a uma criança acesso a seu computador com limites em alterações no sistema, instalação de software ou gravação em disco fora do perfil do usuário. Depois do usuário concluir o uso ou fazer logoff, os dados dentro do perfil do usuário são excluídos. Não é possível usar o Modo Convidado no ambiente AD.

49. Restaure a partir de pontos de restauração com backup — Você pode optar por incluir pontos de restauração com backups e restaurar a partir desses pontos ao usar a Restauração do Sistema. Isso será conveniente se você desejar criar uma linha de base de uma configuração de trabalho e ser capaz de restaurá-la no futuro sem substituir outros dados no disco rígido.

50. Beneficie-se do BranchCache — O BranchCache ajuda você a economizar viagens de ida e volta para arquivos solicitados em cenários de filiais remotas. Se uma pessoa solicitar um arquivo pela WAN, ele será armazenado em cache localmente e distribuído entre computadores na filial remota ou armazenado em um servidor central na filial remota.

51. Desabilite pop-ups de sugestão de pesquisa — Conforme você digita na Caixa de Pesquisa, o Windows 7 faz sugestões com base em busca de pesquisas anteriores no Registro. É possível desabilitar isso na Política de Grupo Local com a habilitação de Configuração do Usuário | Modelos Administrativos | Componentes do Windows | Windows Explorer | Desativar a exibição de entradas de pesquisa recentes no Windows Explorer.

52. Fixe o Painel de Controle na barra de tarefas — Se você usar o Painel de Controle com frequência, talvez já tenha notado que não é possível simplesmente clicar com o botão direito do mouse no Painel de Controle e selecionar Fixar na Barra de Ferramentas. Em vez disso, você precisa primeiro abrir o Painel de Controle para que seu ícone apareça na barra de tarefas. A partir daí, é possível clicar com o botão direito do mouse no ícone na barra de tarefas e selecionar Fixar este programa na barra de tarefas.

53. Utilize conectores de pesquisa — Agora você pode pesquisar a Web com a funcionalidade de pesquisa. O Windows 7 inclui a Pesquisa Federada para aumentar o escopo da pesquisa para além dos recursos locais e de rede. Vários conectores de pesquisa estão disponíveis, como o YouTube e o Twitter, ou é possível criar conectores personalizados para se ajustarem a suas necessidades.

54. Use notas — Embora esse recurso tenha existido em várias versões anteriores do Windows de uma ou de outra forma, ele é muito mais fácil de usar no Windows 7. Você pode grudar uma nota na sua área de trabalho para lembretes rápidos. É rápido alterar a fonte ou a cor da nota. Com uma nota selecionada, use Ctrl-N para criar uma nova.

55. Experimente o WordPad aperfeiçoado — Você provavelmente não deu muita atenção ao WordPad ultimamente, mas a versão fornecida com o Windows 7 passou por uma renovação maior. Considere-o como uma versão leve do Microsoft Word. O WordPad possui uma interface de faixa de opções inteligente, o que facilita a criação de documentos bem-formatados. Além disso, você não precisa mais se limitar a salvá-los como arquivos .RTF. Agora, o WordPad dá suporte ao formato de documento Office Open XML (.DOCX). Isso facilita ainda mais a abertura no WordPad de arquivos .DOCX criados no Word.

56. Calcule — Outro utilitário básico que recebeu uma revisão geral maior foi a venerável calculadora. Além das exibições padrão e científica, há agora modos de programador e de estatísticas. Você também vai adorar os recursos de conversão e de cálculo. Que tal converter Celsius em Fahrenheit, mas nunca precisar lembrar-se da fórmula? Use o painel de conversão. Você também vai gostar da extensão de cálculo de dados. Encontre rapidamente a diferença entre duas datas ou calcule uma nova data com a adição ou subtração de anos, meses ou dias.

57. Gerencie serviços no Gerenciador de Tarefas — O Gerenciador de Tarefas do Windows 7 agora inclui uma guia para gerenciar serviços. Você pode ver rapidamente o status de todos os serviços em seu computador. Clique em um título de coluna para classificar. É possível até iniciar e parar serviços com um simples clique com o botão direito do mouse. Se você precisar de gerenciamento completo de serviços, use o botão Serviços para iniciar o Console de gerenciamento de serviços. Agora, você pode ter o Gerenciador de Tarefas sempre em execução na bandeja do sistema e ter acesso ao gerenciamento de serviços significa menos uma janela aberta.

58. Dê uma espiada — O Windows 7 oferece mais maneiras dar uma olhada no que acontece em segundo plano sem necessidade de adicionar soluções de terceiros. Um exemplo excelente é o Monitor de Recursos. A guia Desempenho do Gerenciador de Tarefas do Windows é um bom começo, mas, algumas vezes, você precisa de mais informações. Clique no botão Monitor de Recursos para obter informações mais detalhadas e gráficos de desempenho dos subsistemas principais, como CPU e Disco. Você também pode localizar o Monitor de Recursos em Acessórios | Ferramentas do Sistema.

59. Verifique os sinais vitais — Outra nova ferramenta do sistema da qual você vai gostar é o relatório de Integridade do Sistema. Na caixa de diálogo Executar, digite perfmon /report para gerar um relatório de integridade do sistema. Esse relatório registra detalhes sobre o desempenho do computador, o uso de recursos e mais. Também inclui informações de diagnóstico sobre coisas que não estão funcionando como deveriam e as etapas sugeridas para resolução. Os relatórios são salvos e podem ser acessados com o console de gerenciamento do Monitor de Desempenho. Você também pode salvá-lo como um arquivo HTML ou enviá-lo por email.

60. Obtenha mais do Windows PowerShell — O Windows PowerShell v2 promete ser uma virada de jogo para muitos administradores de sistema. Muitos vão preferir usar o console gráfico do Windows PowerShell, também conhecido como ISE (Integrated Scripting Environment). Esse console pode ser encontrado na pasta Windows Power­Shell sob Acessórios. Adicione um atalho de teclado de Ctrl+Alt+I para iniciá-lo rapidamente. Execute qualquer comando do Windows PowerShell no painel inferior e veja os resultados no painel do meio. Crie ou edite scripts no painel superior. Abra várias sessões do Windows PowerShell conectadas a computadores remotos. O ISE torna o uso do Windows PowerShell v2 fácil e divertido (consulte a Figura 7).

Figura 7 O Windows PowerShell está muito mais estreitamente integrado com o Windows 7 e o Integrated Scripting Environment foi adicionado

61. Use coisas antigas — Uma dica, talvez não tão óbvia, do Windows 7 é que você deve tentar instalá-lo em todo lugar. Um usuário tem um laptop de seis anos que foi fornecido originalmente com o Windows XP. Ele nunca conseguiu instalar o Windows Vista nesse laptop. Mas o Windows 7 foi instalado sem reclamar e está em execução sem nenhum problema. Naturalmente, há alguns recursos do Windows 7 que ele não pode usar porque o processador não tem determinados recursos, mas esses são problemas secundários considerando que o laptop agora está ativo novamente.

62. Melhore a segurança — No Vista, era difícil gerenciar a proteção do sistema por meio de pontos de restauração. A guia Proteção do Sistema no Windows 7 é uma melhoria muito grande. Em um único local, você pode configurar quanto espaço dedicar a pontos de restauração, excluir e criar pontos de restauração ou até mesmo desativar completamente a proteção do sistema. Isso é muito útil em sistemas mais antigos onde espaço em disco pode ser um bônus.

63. Use realmente a Ajuda e Suporte — Muita da confusão do Vista foi reduzida no Windows 7. Por exemplo, a página Ajuda e Suporte tem três links, uma janela de pesquisa e um link para retornar ao site do Microsoft Windows. É muito menos intimidante para usuários finais, portanto, faça com que eles saibam disso. A pesquisa também foi muito melhorada, tornando a experiência melhor e mais fácil.

Os 14 melhores atalhos do teclado do Windows 7

A chave do Windows agora executa uma grande variedade de funções. Esta é uma pequena mostra das mais úteis:

64. Win+h – muda a janela atual para tela inteira.

65. Win+i – restaura a janela de tela inteira atual para tamanho normal ou minimiza a janela atual, se não for tela inteira.

66. Win+Shift+seta – muda a janela atual para tela alternativa.

67. Win+D – minimiza todas as janelas e mostra a área de trabalho.

68. Win+E – inicia o Explorer com Computador como o foco.

69. Win+F – inicia uma janela de pesquisa.

70. Win+G – percorre os gadgets.

71. Win+L – bloqueia a área de trabalho.

72. Win+M – minimiza a janela atual.

73. Win+R – abre a janela Executar.

74. Win+T – percorre a barra de tarefas abrindo o Aero Peek para cada item em execução.

75. Win+U – abre a Central de Facilidade de Acesso.

76. Win+Space – executa Aero Peek na área de trabalho.

77. Ctrl+Win+Tab – abre a janela de seleção de tarefas persistentes. Role o mouse sobre cada ícone para visualizar um item e minimizar outros.

Fonte:technet.microsoft

Categorias:Dicas, Windows 7